domingo, 1 de maio de 2011

Você sabe a diferença?

Opa, você sabe a diferença entre um paraplégico e um tetraplégico? Não, não é porque um tem mais títulos do que o outro (Como diria Galvão Bueno: É teeeetra). Mas falando sério, pelo que parece muita gente não sabe. Pois bem, aqui vai uma breve e sucinta explicação. São considerados tetraplégicos, pessoas com lesões entre as vértebras C4 e C8, que atingem os movimentos dos quatro membros. Paraplégicos, são considerados os que tem lesão entre as vértebras T1 e T12, perdendo o movimento das pernas.


Resolvi tocar no assunto, pois percebi que nem sempre, a acessibiliade que é tão sonhada, serve para ambos os casos. Agora, você deve estar pensando que estou querendo demais né? Mas não, para tornar um ambiente acessível para ambos os casos, as modificações a serem feitas são pequenas, mas que fariam uma diferença enorme.

A pessoa paraplégica, move normalmente as mãos, os braços e tem na maioria das vezes, completo equilíbrio de tronco, o que possibilita sentar em um banco sem encosto por exemplo. Fato este mais difícil para quem é tetraplégico, como eu. Sendo assim, quem é paraplégico, consegue facilmente se transferir para o vaso sanitário, para um banquinho no chuveiro, para uma banheira e etc. O tetraplégico não, ou na maioria dos casos não. Sendo necessária a ajuda de pelo menos uma, as vezes duas pessoas na transferência. Além disso, quem é tetraplégico, geralmente usa uma cadeira especial para ir ao banheiro, tanto no vaso sanitário como no chuveiro.

Ta, mas e aí? Calma que estou quase lá. Os banheiros de hotéis (o motivo deste post), de restaurantes, shoppings... são adaptados, na maioria das vezes, afinal sempre existem as excessões, para quem consegue se virar sozinho, sem ninguém para auxiliar. Nos lugares públicos, o ideal é que os banheiros sejam grandes, que caibam uma cadera de rodas e mais uma pessoa, a qual irá ajudar.

Outro fato que seria ótimo, é que os banheiros acessíveis não sejam diferenciados entre masculino e feminino (afinal ambos fazem tudo sentado mesmo). No meu caso, que preciso de ajuda para a transferência, e quase sempre quem me auxilia é uma mulher, sempre bate a dúvida e o constrangimento de ter que escolher em qual entrar. Já nos hotéis, a solução seria aumentar um pouco o tamanho do box e das banheiras, para que assim possibilitem a colocação de uma cadeira de banho.

Viram, nem é muita coisa, mas que faz uma diferença enorme. E ai? Ainda acha que eu estou querendo muito?

Nas fotos acima um banheiro adaptado, mas que criou enorme dificuldade para o acesso de um tetraplégico. O banco para banho era sem encosto, o vaso sanitário dificultou bastante o acesso por ser muito estreito e a banheira (Incrível, mas aqui nos Estados Unidos deve ter banheira até em casinha de cachorro) era estreita demais e não possibilitou a colocação de uma cadeira de banho dentro dela.

Acho que o dia em que tudo será completamente adaptado, infelizmente, ainda está longe de chegar. Enquanto isso, só nos resta seguir marcando em cima.

"Life is too short to worry about little things. So enjoy your life, laugh every chance you get, cry only if you must and never let others get you down."

4 comentários:

mperri disse...

As pessoas tendem a achar que acessibiildade é dar uma opção à pessoa de acessar... não é tão simples assim... quando planejo acessibilidade, eu penso também na livre movimentação por conta própria, sem auxílio... no caso de paraplégicos, muitos andam em cadeiras elétricas e conseguem ir e vir livremente, mas, se o acesso for pensado sem a questão da livre escolha de movimentos, muitas vezes esse paraplégico, que poderia ir e vir com sua cadeira sem o auxílio de ninguém, fica preso à boa vontade de alguémque o auxilie...
Muita gente ainda precisa entender que a liberdade de ir e vir, de usar um banheiro ou chuveiro sem um esforço absurdo por parte de um auxiliar, são tão importantes quando o simples "a cadeira cabe"!
Bora educar esse mundinho, né??? Já é passada a hora de facilitar a todos o acesso e a liberdade de movimentos!

Lígia ZM disse...

Me lembrei da vez que vi um banheiro de restaurante todo "adaptado para deficiente físico", mas com o lixo daqueles que você precisa acionar o pézinho pra abrir a tampa.
Como não perceberam que esse modelo de lixo não era nada acessível?

Anônimo disse...

Fábio,

Ótimo o texto. São pequenas coisas e detalhes que devem ser divulgados. Acho que muitas pessoas que possuem necessidades especiais não tem coragem para falar abertamente sobre este assunto. Depois de ler o seu texto, pode ter certeza que vou olhar os banheiros de forma diferente. Obrigada pela oportunidade de aprender sempre um pouco mais a cada dia com seu blog.

juliana Santos disse...

Ótimo! Falou o que eu queria.. muito bom ;)