sexta-feira, 28 de outubro de 2011

A segunda foi melhor

Opa, assim como na última sexta-feira, hoje tive aula prática na autoescola. Semana passada, a ideia era de ter duas horas de aula, mas não aguentei, senti um pouco de incomodo devido a falta de costume e encerramos mais cedo do que o previsto. Porém, desta vez já fui um pouco melhor, aguentei mais tempo, embora ainda não o ideal. Eu sempre gostei de dirigir e voltar a ter a sensação de independência, mesmo por pouco tempo, é bom demais.

Confesso que achei que seria bem mais fácil. Quando me disseram que eu teria que fazer 10 aulas práticas achei um absurdo. Na minha cabeça, por já dirigir antes do acidente, seria apenas entrar no carro, encaixar as adaptações necessárias e pronto. Tudo isso seria feito em uma, duas, no máximo três aulas, mas não é bem assim. Voltar a dirigir, sendo tetraplégico, envolve muito mais que apenas saber. Envolve principalmente força, muita força, para conseguir superar as limitações que o corpo apresenta.

Desde que comecei no Project Walk, em janeiro deste ano, fiquei muito mais forte do que era. Nada muito perceptível a olho nu, mas são músculos e movimentos novos que me auxiliam a mudar de posição quando estou deitado, que permitem que eu fique sentado por mais tempo, auxiliam nas transferências e agora também estão me ajudando a voltar a dirigir.

Eu com certeza precisarei de todas as 10 aulas, mais para fazer com que meu corpo se readapte ao carro, para que ele aprenda os movimentos necessários para realizar essa nova tarefa. Eu acredito, aliás aprendi a perceber, que apesar da lesão, o meu corpo recupera alguns movimentos pela repetição. As vezes pela exaustão, na base do cansaço mesmo. Hoje foi deste jeito, fiquei morto de cansado, como a muito tempo não ficava.

Agora é aproveitar o fim de semana para descansar (embora no meu caso isso seja sinônimo de estudo) porque na próxima semana tem mais. Não importa quanto tempo eu vou demorar, o que importa é saber que eu consigo. Sabendo disso, o tempo que demorarei para conseguir é quase que insignificante.

"Quem vence os outros é forte, mas quem vence a si mesmo é invencível".


Abaixo uma matéria exibida pelo Jornal Nacional, bastante comentada durante os últimos dias e que aumenta um pouco mais a esperança na recuperação através das células-tronco.


Um comentário:

Rodrigo Maués Albuquerque disse...

VOCÊ É FODA! Eu acredito em você!

Força Fabitoo